17 de mai de 2012

limite



Cheguei ao meu limite. E foi tudo cansativo até aqui. Não me leve a mal, não pense que é drama, mas sinceramente eu cansei. Correr atrás não será mais uma das minhas prioridades. Porque demora, mas uma hora as fixas acabam caindo e agente percebe que certos esforços são feitos em vão. E não da mais para continuar assim. Não dá e não posso mais deixar meus olhos fechados para a realidade. Eu preciso abri-los e ver que os erros cometidos jamais vão poder ser consertados, e no mínimo poderei aprender algo daqui pra frente quando lembrar deles. E tudo isso está sendo difícil para meu coração analisar, pois nada está fazendo mais sentido, assim como as minhas palavras,assim como minhas lágrimas, assim como meus risos falsificados. Tudo está sem moral, está sem graça, está tudo tão clichê. Mas a culpa não é minha, não dessa vez. Nos olhos dos outros, é claro que eu sou a culpada, é claro que é drama, é claro que é uma pequena dor medíocre. Mas na verdade, não é. Só que o problema é que todos fecham os olhos na hora de enxergar meus problemas. E todos se negam a me entender, e com isso acabam apenas julgando. E sofrer sozinha dói, dói demais. Em pensar que eu poderia simplesmente abraçar alguém forte, e chorar para aliviar essa tristeza. Pena que agora não há mais abraços, nem alguém para me confortar. O que me restou foi à dor, foi à solidão, um pedaço de papel e alguns sentimentos mal resolvidos que me levam a fazer escritas sem nexo. É ruim admitir, mas essa é a verdade. Minha rotina me destruiu. Meus sentimentos estão mais confusos do que o normal. E eu? Continuo parada no mesmo lugar, ouvindo a mesma música, com o mesmo rosto na minha mente, e a mesma dor no coração. E sem que alguém perceba, eu finjo que nada disso acontece. Passo o dia inteiro com aquele sorriso enorme e com aquelas palhaçadas sem sentido para fazer outros rirem. Mas de nada adianta o fingimento, pois quando a noite chega tudo vem átona, meus pensamentos começam a se acumular com meus problemas em minha mente, me atormentando sem que eu possa faze-los parar de me torturar. E mesmo assim, prefiro esconder tudo isso. É melhor assim. É melhor para mim e para todos. Eu não aguentaria tanta pressão em cima de mim se descobrissem à dor que eu carrego dentro de mim, e não aguentaria dividir com o mundo uma tristeza que guardo em segredo há tanto tempo, na qual ninguém entenderia. (roqueira)

Nenhum comentário: